eco-18112014-trabalho-escravo-ecod

Empregadores baianos entraram na “Lista suja do trabalho escravo”, é o que diz o jornalista Leonardo Sakamoto, blogueiro do portal UOL. Segundo Sakamoto, 12 empresas e fazendeiros baianos estão na lista por manterem funcionários em condições análogas à escravidão.

Publicidade

Dois dos doze empregadores são empresas, entre eles a NTR Engenharia, que já foi autuada por manter trabalhadores em péssimas condições de trabalho no

período em que estava sendo construído o ginásio poliesportivo do campus do Instituto Federal da Bahia, em Ilhéus, no sul da Bahia.

Outra empresa que figura na lista é a Gráfico Empreendimentos, que também já foi autuada pelo Ministério do Trabalho.

Os fazendeiros baianos completam a lista e são campeões em denúncias de trabalho escravo. Oito dos denunciados têm fazendas no oeste da Bahia e os outros 2 empregadores foram flagrados em Vitória da Conquista, sudoeste baiano.